Loading...

terça-feira, 15 de abril de 2014

ATENÇÃO ALUNOS  DO ENSINO MÉDIO - PROFESSOR MARCOS / FÍSICA

SEGUE LISTA DE EXERCÍCIO PARA A RECUPERAÇÃO , CADA ALUNO DEVERA ENTREGAR A LISTA DE EXERCÍCIO NA QUARTA FEIRA 16/04/2014 PARA TER DIREITO A RECUPERAÇÃO.

1 ano Ensino médio – Física /  Marcos

1 - FATEC – Um carro se desloca entre duas cidades em duas etapas. Na primeira etapa desloca-se com velocidade média de 80km/h durante 3,5h. Após permanecer parado por 2,0 horas, o carro percorre os 180km restantes com velocidade média de 40km/h. Qual velocidade média do carro no percurso entre as duas cidades ?


2 - FUVEST- A velocidade máxima permitida em uma auto-estrada é de 110 km/h (aproximadamente 30 m/s) e um carro, nessa velocidade, leva 6s para parar completamente.Diante de um posto rodoviário, os veículos devem trafegar no máximo a 36 km/h (10 m/s).
Assim, para que carros em velocidade máxima consigam obedecer o limite permitido, ao passar em frente do posto, a placa referente à redução de velocidade deverá ser colocada antes do posto, a qual distância mínima?

,,,,,
3 - Um avião em vôo horizontal abandona um objeto. Desenhe a trajetória que o objeto descreve nos seguintes casos:
a) Tomando como referencial uma casa fixa à Terra.
b) Tomando como referencial o avião?


4 - -(MEDICINA DE CATANDUVA) Um automóvel percorre um trecho retilíneo de estrada, indo da cidade A até a cidade B, distante 150 km da primeira. Saindo às 10:00 h da A, pára às 11:00 h em um restaurante situado no ponto médio do trecho AB, onde o motorista gasta exatamente uma hora para almoçar. A seguir, prossegue viagem e gasta mais uma hora para chegar à cidade B. Qual a  velocidade média do automóvel no trecho AB?



5 - Fuvest-SP -  Após chover na cidade de São Paulo, as águas da chuva descerão do rio Tietê até o rio Paraná, percorrendo cerca de 1.000 km. Sendo 4 km/h a velocidade média das águas, em quantos dias será cumprido o percurso mencionado, aproximadamente?



 2 ANO ENSINO MÉDIO - FÍSICA/MARCOS 


 1-Um recipiente metálico de capacidade térmica desprezível contém 1000 de água. Colocado sobre um bico de gás de um fogão, a temperatura do conjunto sobe 36ºC em 20 minutos. Nesse mesmo bico de gás, a temperatura de uma marmita contendo uma refeição aumenta 30 ºC em 10 minutos. Supondo constante a taxa de transferência de calor desse bico de gás, determine a capacidade térmica da marmita, em calorias por graus Celsius.
 (ados: densidade da água = 1,0 g/cm³ e calor específico da água = 1,0 cal/g. ºC)



2-Numa atividade de laboratório, Fábio aquece um corpo com o objetivo de determinar sua capacidade térmica. Para tanto, utiliza uma fonte térmica, de potência constante, que fornece 60 calorias por segundo e constrói  o gráfico abaixo. Qual a capacidade térmica do corpo?

















3- Um aquecedor elétrico eleva de 10 ºC a temperatura de 1000 g de água em 10 minutos. Se utilizarmos esse aquecedor durante 10 minutos para aquecer 1000 g de óleo, qual será a elevação da temperatura do óleo?
(Dados: calor específico da água = 1,0 cal/g.Cº, calor específico do óleo = 0,5 cal/g.ºC)






4- No diagrama estão representadas as quantidades de calor (Q) absorvidas por duas substâncias, A e B, cujas massas são, respectivamente, iguais a 100g e 160 g, em função da temperatura (q). Considere 0 ºC a temperatura inicial das substâncias.



a) Determine as capacidades térmicas e os calores específicos de A e B.
b) Determine as quantidades de calor absorvidas por A e B, quando ambas estiverem á temperatura q, indicada no
gráfico





Lista de RECUPERAÇÃO 3 ª séries Ensino Médio

01 - (PUC SP/2010) Considere quatro esferas metálicas idênticas, separadas e apoiadas em suportes isolantes. Inicialmente as esferas apresentam as seguintes cargas: QA = Q, QB = Q/2, QC = 0 (neutra) e QD = --Q. Faz-se, então, a seguinte sequência de contatos entre as esferas:














Distribuição inicial das cargas entre as esferas
I-          contato entre as esferas A e B e esferas C e D. Após os respectivos contatos, as esferas são novamente separadas;
II-         a seguir, faz-se o contato apenas entre as esferas C e B. Após o contato, as esferas são novamente separadas;
III-        finalmente, faz-se o contato apenas entre as esferas A e C. Após o contato, as esferas são separadas.
Pede-se a carga final na esfera C, após as sequências de contatos descritas.
a)       
b)        Q
c)        
d)       
e)       

02 - (UFAL/2010) Um estudante dispõe de um kit com quatro placas metálicas carregadas eletricamente. Ele observa que, quando aproximadas sem entrar em contato, as placas A e C se atraem, as placas A e B se repelem, e as placas C e D se repelem. Se a placa D possui carga elétrica negativa, ele conclui que as placas A e B são, respectivamente,
a)        positiva e positiva.
b)        positiva e negativa.
c)         negativa e positiva.
d)        negativa e negativa.
e)        neutra e neutra.




  
3 - Calor faz quantidade de raios na capital de SP subir 60%
Um estudo do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) apontou que a incidência de raios em São Paulo aumentou cerca de 60% nos últimos 50 anos e que isto está relacionado à elevação da temperatura média na cidade no período, que, segundo o trabalho, subiu 2 ºC nessas cinco décadas.
Não é apenas o aumento de carbono na atmosfera (aquecimento global) o responsável pela subida dos termômetros. A urbanização, a falta de vegetação e a poluição também são responsáveis, sem contar o aquecimento natural da superfície do Atlântico.
Os raios são responsáveis por cerca de R$ 1bilhão em prejuízos por ano no Brasil. O setor elétrico, segundo estimativa, responde por 60% desse valor.
(Folha Online – Ambiente. 25.07.2008. Adaptado)

Com relação à ocorrência de uma descarga elétrica na atmosfera, analise:
I.          objetos pontiagudos como o pára-raios estão mais propensos a dissipar cargas elétricas, pois, devido a sua forma, as cargas elétricas livres tendem a se acumular nesse local, em um processo conhecido como “poder das pontas”;
II.         o processo de acúmulo de cargas na atmosfera assemelha-se ao processo de carga de duas placas condutoras paralelas que possuem um dielétrico entre elas. Quando o raio ocorre, diz-se que o dielétrico, no caso o ar, foi rompido, passando a conduzir;
III.        o interior de corpos metálicos, como um carro, constitui um ambiente seguro contra raios que neles incidam, devido ao fato de o campo elétrico no interior desses corpos ser nulo.
É correto o contido em
a)        I, apenas.
b)        I e II, apenas.
c)         I e III, apenas.
d)        II e III, apenas.
e)        I, II e III.

4 - O dono de uma residência resolve fazer uma estimativa de quanto o seu aparelho ar condicionado está consumido durante um mês. De posse do manual de instruções do aparelho descobre que a potência do aparelho é de 1500 W. O proprietário da residência costuma usar o aparelho todos os dias iniciando às 22h de um dia até as 4h do outro. Se o kWh custa R$ 0,30, qual o valor encontrado para o custo mensal de energia elétrica consumida pelo aparelho?


5 - Um estudante de ensino médio, que costuma usar o computador para fazer pesquisas na internet, esquece o computador ligado durante 60 horas num final de semana. Sabendo-se que, nessa situação, a potência elétrica dissipada pelo computador é de 240 W, a energia desnecessariamente gasta enquanto o computador esteve ligado foi de:

6 - Uma família composta por cinco pessoas, para diminuir o consumo de energia elétrica domiciliar, usou os seguintes procedimentos:
a) diminuiu o tempo médio de uso do chuveiro, de 3000W, ocorrendo redução média mensal de 10h;
b) eliminou o uso do forno de microondas, de 1000W, que era usado aproximadamente durante 12 horas por mês.
A redução média do consumo de energia elétrica, em kWh, dura


domingo, 23 de março de 2014

As Batalhas da 1º Guerra Mundial - Episódio 01 - Conflitos de Impérios



O 9ºAno terá a oportunidade de aprender um assunto que estará em evidência em 2014 que é a Primeira Guerra Mundial que completará 100 anos no próximo 28 de junho. É muito importante que estudemos as barbáries que a humanidade cometeu (Escravidão no Brasil, Holocausto, Guerras) para que elas não se repitam.
Estamos aceitando indicações de videos que falem sobre essa guerra para postarmos no Blog, já que há bem menos material disponível quando a comparamos a Segunda Guerra. Os alunos do 9ºC Samuel Hiuri e Jane já enviaram seus links e em breve estaremos publicando.
Esperamos novas contribuições.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Absolutismo

ATENÇÃO ALUNOS DA PROFESSORA MONICA - HISTÓRIA

Abaixo , em anexo, estão os textos para que vocês possam estudar para as provas bimestrais de história .


ABSOLUTISMO
Podemos definir o absolutismo como um sistema político e administrativo que prevaleceu nos países da Europa, na época do Antigo Regime (séculos XVI ao XVIII ).
Características 
No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa a ela um governo forte e capaz de organizar a sociedade. Portanto, a burguesia forneceu apoio político e financeiro aos reis, que em troca, criaram um sistema administrativo eficiente, unificando moedas e impostos e melhorando a segurança dentro de seus reinos.

Nesta época, o rei concentrava praticamente todos os poderes. Criava leis sem autorização ou aprovação política da sociedade. Criava impostos, taxas e obrigações de acordo com seus interesses econômicos. Agia em assuntos religiosos, chegando, até mesmo, a controlar o clero em algumas regiões.

Todos os luxos e gastos da corte eram mantidos pelos impostos e taxas pagos, principalmente, pela população mais pobre. Esta tinha pouco poder político para exigir ou negociar. Os reis usavam a força e a violência de seus exércitos para reprimir, prender ou até mesmo matar qualquer pessoa que fosse contrária aos interesses ou leis definidas pelos monarcas.
Teóricos do Absolutismo

Muitos filósofos desta época desenvolveram teorias e chegaram até mesmo a escrever livros defendendo o poder dos monarcas europeus. Abaixo alguns exemplos:
Jacques Bossuet : para este filósofo francês o rei era o representante de Deus na Terra. Portanto, todos deveriam obedecê-lo sem contestar suas atitudes. 
Nicolau Maquiavel : Escreveu um livro, " O Príncipe",  onde defendia o poder dos reis. De acordo com as ideias deste livro, o governante poderia fazer qualquer coisa em seu território para conseguir a ordem. De acordo com o pensador, o rei poderia usar até mesmo a violência para atingir seus objetivos. É deste teórico a famosa frase : " Os fins justificam os meios."
Thomas Hobbes : Este pensador inglês, autor do livro " O Leviatã ", defendia a ideia de que o rei salvou a civilização da barbárie e, portanto, através de um contrato social, a população deveria ceder ao Estado todos os poderes.


Mercantilismo: a prática econômica do absolutismo
Podemos definir o mercantilismo como sendo a política econômica adotada na Europa durante o Antigo Regime. Como já dissemos, o governo absolutista . O objetivo principal destes governos era alcançar o máximo possível de desenvolvimento econômico, através do acúmulo de riquezas. Quanto maior a quantidade de riquezas dentro de um rei, maior seria seu prestígio, poder e respeito internacional. 
Podemos citar como principais características do sistema econômico mercantilista :
Metalismo : o ouro e a prata eram metais que deixavam uma nação muito rica e poderosa, portanto os governantes faziam de tudo para acumular estes metais. Além do comércio externo, que trazia moedas para a economia interna do país, a exploração de territórios conquistados era incentivada neste período. Foi dentro deste contexto histórico, que a Espanha explorou toneladas de ouro das sociedades indígenas da América como, por exemplo, os maias, incas e astecas.
Industrialização : o governo estimulava o desenvolvimento de indústrias em seus territórios. Como o produto industrializado era mais caro do que matérias-primas ou gêneros agrícolas, exportar manufaturados era certeza de bons lucros.
Protecionismo Alfandegário : os reis criavam impostos e taxas para evitar ao máximo a entrada de produtos vindos do exterior. Era uma forma de estimular a indústria nacional e também evitar a saída de moedas para outros países.
Pacto Colonial : as colônias européias deveriam fazer comércio apenas com suas metrópoles. Era uma garantia de vender caro e comprar barato, obtendo ainda produtos não encontrados na Europa. Dentro deste contexto histórico ocorreu o ciclo econômico do açúcar no Brasil Colonial.
Balança Comercial Favorável: o esforço era para exportar mais do que importar, desta forma entraria mais moedas do que sairia, deixando o país em boa situação financeira.

EXERCÍCIOS
1.“O saldo da balança comercial deve ser favorável, afim de que aumente o acúmulo de metais preciosos. O lema é vender o máximo e importar o mínimo.”
a)    Identifique os princípios mencionados
b)    Relacione esse princípios ao momento histórico, político e econômico em que foram praticados.

2. Explique o significado da Teoria do Direito Divino, que justificava o absolutismo dos monarcas da Idade Moderna.
3. “O Estado sou eu.” Essa frase do rei francês Luís XIV indicava uma particular organização do Estado Moderno. Qual era essa organização? Dê duas de suas características.
4. Para justificar os governos absolutistas da Idade Moderna, vários autores procuraram lançar  teorias de explicação sobre o fato. Dentre elas, destacam-se as visões de Thomas Hobbes , na Inglaterra, e Jacques Bossuet, da França, ambas do século XVII. Explique e compare as duas propostas
5. Sobre o governo dos príncipes, Nicolau Maquiavel, um pensador italiano do século XVI, afirmou:“O príncipe não precisa ser piedoso, fiel, humano, íntegro e religioso, bastando que aparente possuir tais qualidades. (...) Um príncipe não pode observar todas as coisas a que são obrigados os homens considerados bons, sendo freqüentemente forçado, para manter o governo, a agir contra a caridade, a fé, a humanidade, a religião (...). O príncipe não deve se desviar do bem, se possível, mas deve estar pronto a fazer o mal, se necessário.” (Adaptado de Nicolau Maquiavel. O Príncipe, em Pensadores, São Paulo, Nova Cultural, 1996 pp 102-103)
A partir do texto, responda:
a)    Qual o maior dever do príncipe?
b)    Como o príncipe deveria governar para ter  êxito?
c)    De que maneira as idéias de Maquiavel se opunham à moral cristã medieval?

6. No final da Idade Média, os monarcas procuraram tomar algumas medidas que garantissem o crescimento da riqueza de seus reinos. Quais foram essas medidas e quais eram seus objetivos?
7. Durante a Idade Média muitos reinos se formaram e desapareceram na Europa, dando lugar a outros. No final da Idade Média e início da Idade Moderna alguns desses reinos se fortaleceram e formaram os Estados Nacionais Modernos, como Portugal, Espanha, França e Inglaterra. Para o fortalecimento desses reinos foi fundamental o fortalecimento do poder real. Cite e exemplifique dois procedimentos que os reis foram tomando para fortalecer o seu poder.
8. Sobre as práticas de exploração do Novo Mundo, explique como funcionava o sistema mercantilista adotado pelos europeus, no processo de colonização da América denominado de Pacto Colonial:
9. O Mercantilismo pregava entre suas principais características a Balança Comercial Favorável e o Protecionismo Alfandegário.
Estabeleça a relação entre essas duas características para que a economia possa crescer:
Denomine a característica do Mercantilismo que estimulava a concentração de metais preciosos no interior do reino. Explique o mecanismo de funcionamento do sistema mercantilista adotado pelos europeus no processo de colonização da América.




 FEUDALISMO – ALTA IDADE MÉDIA

O feudalismo tem inicio com as invasões germânicas (bárbaras), no século V, sobre o Império Romano do Ocidente (Europa), período conhecido como Idade Média. As características gerais do feudalismo são: poder descentralizado (nas mãos dos senhores feudais), economia baseada na agricultura e utilização do trabalho dos servos, o feudo era autossuficiente, ou seja, tudo era produzido no feudo.
Estrutura Política do Feudalismo
Prevaleceram na Idade Média as relações de vassalagem e suserania. O suserano era quem dava um lote de terra ao vassalo, sendo que este último deveria prestar fidelidade e ajuda ao seu suserano. O vassalo oferece ao senhor, ou suserano, fidelidade e trabalho, em troca de proteção e um lugar no sistema de produção. As redes de vassalagem se estendiam por várias regiões, sendo o rei o suserano mais poderoso.
Todos os poderes, jurídico, econômico e político concentravam-se nas mãos dos senhores feudais, donos de lotes de terras (feudos), por isso dizemos que o poder era descentralizado.
Sociedade feudal
A sociedade feudal era estática (com pouca mobilidade social) e hierarquizada. A nobreza feudal (senhores feudais, cavaleiros, condes, duques, viscondes) era detentora de terras e arrecadava impostos dos camponeses. O clero (membros da Igreja Católica) tinha um grande poder, pois era responsável pela proteção espiritual da sociedade. Era isento de impostos e arrecadava o dízimo. A terceira camada da sociedade era formada pelos servos (camponeses) e pequenos artesãos. Os servos deviam pagar várias taxas e tributos aos senhores feudais, tais como: corvéia (trabalho de 3 a 4 dias nas terras do senhor feudal), talha (entregar metade da produção), banalidade (taxas pagas pela utilização do moinho e forno do senhor feudal).
Economia feudal
A economia feudal baseava-se principalmente na agricultura. Existiam moedas na Idade Média, porém eram pouco utilizadas. As trocas de produtos e mercadorias eram comuns na economia feudal. O feudo era a base econômica deste período, pois quem tinha a terra possuía mais poder.



BAIXA IDADE MÉDIA – RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO

O fim das invasões bárbaras na Europa, por volta do século X, trouxe certa paz ao continente. Do período que vai do século XI ao XV, denominada Baixa Idade Média, o sistema feudal  de exploração de braços humanos entrou em decadência devido aos avanços no setor agrícola, como a invenção do moinho hidráulico, que facilitava a irrigação, e a atrelagem dos bois nas carroças, o que possibilitou viagens com mais carga e, consequentemente, aumento na produção.
Com as inovações tecnológicas no setor agrícola, as terras dos feudos passaram a ficar pequenas demais para uma população que só tendia a crescer. Os habitantes dessas áreas rurais queriam expandir o comércio e lucrar mais através da produtividade, vendiam seus produtos nas feiras, que com o passar do tempo, os artesãos e comerciantes concentram-se próximos aos castelos, igrejas e mosteiros, desenvolvendo a atividade comercial. Essas pequenas concentrações deram origem aos primeiros burgos.
Foi neste contexto que começou a surgir uma nova camada social: a burguesia. Dedicados ao comércio, os burgueses enriqueceram e dinamizaram a economia no final da Idade Média. Esta nova camada social necessitava de segurança e buscou construir habitações protegidas por muros. Surgia assim os burgos que, com o passar do tempo, deram origem a várias cidades (renascimento urbano).

As cidades passaram a significar maiores oportunidades de trabalho. Muitos habitantes da zona rural passaram a deixar o campo para buscar melhores condições de vida nas cidades europeias (êxodo rural). Com a diminuição dos trabalhadores rurais, os senhores feudais tiveram que mexer nas obrigações dos servos, amenizando os impostos e taxas. Em alguns feudos, chegaram a oferecer pequenas remunerações para os servos. Estas mudanças significaram uma transformação nas relações de trabalho no campo, desintegrando o sistema feudal de produção.
As Cruzadas
No século XI, dentro do contexto histórico da expansão árabe, os muçulmanos conquistaram a cidade sagrada de Jerusalém. Diante dessa situação, o papa Urbano II convocou a Primeira Cruzada (1096), com o objetivo de expulsar os "infiéis" (árabes) da Terra Santa.  Essas batalhas, entre católicos e muçulmanos, duraram cerca de dois séculos, deixando milhares de mortos e um grande rastro de destruição. Ao mesmo tempo em que eram guerras marcadas por diferenças religiosas, também possuíam um forte caráter econômico. Muitos cavaleiros cruzados, ao retornarem para a Europa, saqueavam cidades árabes e vendiam produtos nas estradas, nas chamadas feiras e rotas de comércio. De certa forma, as Cruzadas contribuíram para o renascimento urbano e comercial a partir do século XIII. Após as Cruzadas, o Mar Mediterrâneo foi aberto para os contatos comerciais.
CRISE DO SÉCULO XIV
Peste Negra ou Peste Bubônica
Em meados do século XIV, uma doença devastou a população europeia. Historiadores calculam que aproximadamente um terço dos habitantes morreram desta doença. A Peste Negra era transmitida através da picada de pulgas de ratos doentes. Estes ratos chegavam à Europa nos porões dos navios vindos do Oriente. Como as cidades medievais não tinham condições higiênicas adequadas, os ratos se espalharam facilmente. Após o contato com a doença, a pessoa tinha poucos dias de vida. Febre, mal-estar e bulbos (bolhas) de sangue e pus espalhavam-se pelo corpo do doente, principalmente nas axilas e virilhas. Como os conhecimentos médicos eram pouco desenvolvidos, a morte era certa. Para complicar ainda mais a situação, muitos atribuíam a doença a fatores comportamentais, ambientais ou religiosos.
Revoltas Camponesa
Após a Peste Negra, a população europeia diminuiu muito. Muitos senhores feudais resolveram aumentar os impostos, taxas e obrigações de trabalho dos servos sobreviventes. Muitos tiveram que trabalhar dobrado para compensar o trabalho daqueles que tinham morrido na epidemia. Em muitas regiões da Inglaterra e da França estouraram revoltas camponesas contra o aumento da exploração dos senhores feudais. Combatidas com violência por partes dos nobres, muitas foram sufocadas e outras conseguiram conquistar seus objetivos, diminuindo a exploração e trazendo conquistas para os camponeses.



 REFORMA RELIGIOSA

Os primeiros questionamentos são referentes à questão das Indulgências (documentos assinados pelo papa, que absolviam o comprador de alguns pecados cometidos, diminuindo o tempo de sua pena no purgatório, era um comércio em vista da salvação), Simonia {comercialização de coisas sagradas (Cargos eclesiásticos, cobrança por sacramentos, objetos...)}, celibato, culto às imagens, excesso de sacramentos, atitude mundana do Alto Clero, dentre outras. Havia um abismo muito grande entre o que a Igreja pregava e o que fazia.

REFORMA LUTERANA
Vendo tantos abusos por parte do Clero, o monge agostiniano Martinho Lutero não se calou. Elaborou 95 teses e afixou-as na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, em 1517. A maioria era contra as indulgências. Principalmente as indulgências visando à construção da Basílica de São Pedro. Apoiado pela nobreza alemã, Lutero pôde divulgar suas idéias, calcada em dois princípios que se constituiriam no núcleo de sua doutrina: A Salvação somente pela fé e não pelas práticas religiosas e a Inutilidade dos Mediadores (Clero). Lutero foi excomungado em 1520. Ele queima publicamente a carta do papa (Bula papal), traduz a Bíblia para o Alemão, casa-se com uma ex-freira, fica abrigado na Saxônia. Eis suas reivindicações e críticas principais: Substituição do Latim pelo idioma alemão nos cultos religiosos; Questiona a grande quantidade de sacramentos (Preserva dois sacramentos: batismo e eucaristia); Livre interpretação da Bíblia; Contra o Celibato; Rejeita a Hierarquia Religiosa da Igreja de Roma; pregava a Salvação pela fé; fim das imagens

REFORMA CALVINISTA – J. Calvino (1509-1564) era francês, que inicia sua ruptura em Genebra, Suíça, por volta de 1536. Lá começa a publicar estudos sistemáticos sobre a nova religião. Funda uma nova doutrina que expande a Reforma. Ele divergia de Lutero em alguns pontos, principalmente na questão da Salvação. Diferente de Lutero (salvação pela fé), ele defendia a idéia de que o homem já nasce predestinado, ou seja, escolhido por Deus para a vida eterna ou para a sua condenação. Calvino ofereceu uma doutrina adequada à burguesia capitalista, pois dizia que o homem provava sua fé e demonstrava sua predestinação através do sucesso material, do enriquecimento. Defendia o empréstimo de dinheiro a juros, o que ia ao encontro dos anseios da burguesia, que tinha no trabalho o elemento necessário para acumular o capital.

REFORMA ANGLICANA – Os ingleses, durante a época dos Tudor, também criticavam os abusos da Igreja Romana, a ineficiência dos tribunais eclesiásticos e o favoritismo na distribuição de cargos públicos para membros do Clero, além de queixar-se do pagamento e do envio de dízimos para Roma. Durante o governo de Henrique VIII (1509-1547),  o monarca solicita ao papa a  anulação do seu casamento com Catarina de Aragão. Ele não tinha sucessores masculinos, temia que seu trono caísse em mãos espanholas. Toda a nação, com medo deste fato, apóia esse pedido. O Papa Clemente VII nega o pedido. O Rei rompe com o papado e faz uma reforma na Igreja Inglesa. Obriga seus membros a reconhecê-lo como chefe supremo e a jurar-lhe fidelidade e obediência. Em 1534, Henrique VIII decreta o Ato de Supremacia, que consolida a separação entre a Inglaterra e o papa. Torna-se o chefe da Igreja de seu país. A Reforma anglicana, na prática, apresenta poucas modificações com a Igreja romana: Questiona o Culto aos santos; A autoridade máxima é o Rei e não o papa; Questiona o culto às relíquias; Prega a popularização da leitura da Bíblia.. O Anglicanismo se consolida no reinado de Elizabeth I, filha de Henrique VIII, que renova seu direito de soberania real sobre a Igreja.
CONTRARREFORMA
O avanço do Protestantismo, não só neste momento, levou a Igreja Romana a se reorganizar. Foi um movimento de reação ao protestantismo. A Igreja precisava fazer mudanças ou não sobreviveria, pois precisava, ainda, evitar que outras regiões virassem protestantes. Esse movimento de reforma interna já existia, mas é nesse momento que ele é aprofundado. Entre 1545 e 1563, foi convocado o CONCÍLIO DE TRENTO, onde houve reafirmações e mudanças. Dentre elas:
- Esclarece a Doutrina;
- Conserva os sete Sacramentos e confirma os Dogmas;
- Afirma a presença real de Cristo na Eucaristia;
- Inicia a redação de um Catecismo;
- Criação de Seminários para a formação de sacerdotes;
- Reafirma o Celibato, a veneração aos Santos e a Virgem;
- Aprova os Estatutos da Companhia de Jesus, criada antes do Concílio por Inácio de Loyola;
- Mantém o Latim como língua do Culto e tradução oficial das Sagradas Escrituras;
- Confirma como texto autêntico, a tradução de São Jerônimo, no século IV;
- Fortalece a Hierarquia e, portanto a unidade da Igreja Católica, ao afirmar a supremacia do Papa como “Pastor Universal de toda a Igreja”
- Reorganizou o tribunal da Inquisição ou Santo Ofício, que fica encarregado de combater a Reforma;
- Criação do “Índex” (índice), encarregada da censura de obras impressas, lista de livros cuja leitura era proibida aos fiéis. 




TEXTO – RENASCIMENTO CULTURAL


Durante os séculos XV e XVI intensificou-se, na Europa, a produção artística e científica. Esse período ficou conhecido como Renascimento ou Renascença.

Contexto Histórico
As conquistas marítimas e o contato mercantil com a Ásia ampliaram o comércio e a diversificação dos produtos de consumo na Europa a partir do século XV. Com o aumento do comércio, principalmente com o Oriente, muitos comerciantes europeus fizeram riquezas e acumularam fortunas. Com isso, eles dispunham de condições financeiras para investir na produção artística de escultores, pintores, músicos, arquitetos, escritores, etc.
Durante a Idade Média (séc. V a XV) Deus era o principal objeto de reflexão do homem mas, a partir do século XV (com o renascimento) , passou a debruçar-se mais sobre si próprio. O homem renascentista preocupava-se em desenvolver o corpo e o espiríto e tinha grande interesse em saber um pouco de tudo (conhecimento enciclopédico). Esta nova corrente de pensamento chamava-se humanismo e um dos humanistas que mais se destacou foi Leonardo da Vinci que foi artista, engenheiro e cientista. Já na Antiguidade clássica escritores romanos e gregos refletiram sobre os problemas do homem tendo sido eles a inspiração dos novos humanistas.
Características Principais:
- Valorização da cultura greco-romana. Para os artistas da época renascentista, os gregos e romanos possuíam uma visão completa e humana da natureza, ao contrário dos homens medievais;
- As qualidades mais valorizadas no ser humano passaram a ser a inteligência, o conhecimento e o dom artístico;
- Enquanto na Idade Média a vida do homem devia estar centrada em Deus ( teocentrismo ), nos séculos XV e XVI o homem passa a ser o principal personagem (antropocentrismo);
- A razão(racionalismo) e a natureza passam a ser valorizadas com grande intensidade. O homem renascentista, principalmente os cientistas, passam a utilizar métodos experimentais e de observação da natureza e universo.
Durante os séculos XIV e XV, as cidades italianas como, por exemplo, Gênova, Veneza e Florença, passaram a acumular grandes riquezas provenientes do comércio. Estes ricos comerciantes, conhecidos como mecenas,  começaram a investir nas artes, aumentando assim o desenvolvimento artístico e cultural. Por isso, a Itália é conhecida como o berço do Renascentismo.  Porém, este movimento cultural não se limitou à Península Itálica. Espalhou-se para outros países europeus como, por exemplo, Inglaterra, Espanha, Portugal, França e Países Baixos.  
             Na religião a mudança foi assinalada pela busca, amparada pela ciência, de explicações racionais para                 os fenômenos da natureza; por uma nova forma de ver as relações entre Deus e o homem, e pela idéia de que o mundo não deveria ser renegado, mas vivenciado plenamente, e que a salvação poderia ser conquistada também através do serviço público e do embelezamento das cidades e igrejas com obras de arte, além da prática de outras ações virtuosas. Deve-se frisar que mesmo com a crescente influência clássica, que era toda pagã na origem, o Cristianismo jamais foi posto em xeque e permaneceu como um pano de fundo ao longo de todo o período, criando-se a síntese original que conhecemos hoje.
       Principais representantes do Renascimento Italiano e suas principais obras:
- Giotto di Bondone (1266-1337) - pintor e arquiteto italiano. Um dos precursores do Renascimento. Obras principais: O Beijo de Judas, A Lamentação e Julgamento Final.
- Michelangelo Buonarroti (1475-1564)- destacou-se em arquitetura, pintura e escultura.Obras principais: Davi, Pietá, Moisés, pinturas da Capela Sistina (Juízo Final é a mais conhecida).
- Rafael Sanzio (1483-1520) - pintou várias madonas (representações da Virgem Maria com o menino Jesus).
- Leonardo da Vinci (1452-1519)- pintor, escultor, cientista, engenheiro, físico, escritor, etc. Obras principais: Mona Lisa, Última Ceia.
- Sandro Botticelli - (1445-1510)- pintor italiano, abordou temas mitológicos e religiosos. Obras principais: O nascimento de Vênus e Primavera.
- Tintoretto - (1518-1594) - importante pintor veneziano da fase final do Renascimento. Obras principais: Paraíso e Última Ceia.
Maquiavel: O Príncipe, um manual de governo que dizia que "não existem boas leis sem boas armas", não distinguindo poder de autoridade e legitimando o uso da força para controle do cidadão, livro que foi uma referência fundamental do pensamento político renascentista e uma inspiração decisiva para a construção do Estado moderno
Renascimento Científico 
Na área científica podemos mencionar a importância dos estudos de astronomia do polonês Nicolau Copérnico. Este defendeu a revolucionária idéia do heliocentrismo (teoria que defendia que o Sol estava no centro do sistema solar). Copérnico também estudou os movimentos das estrelas.
Nesta mesma área, o italiano Galileu Galilei desenvolveu instrumentos ópticos, além de construir telescópios para aprimorar o estudo celeste. Este cientista também defendeu a idéia de que a Terra girava em torno do Sol. Este motivo fez com que Galilei fosse perseguido, preso e condenado pela Inquisição da Igreja Católica, que considerava esta idéia como sendo uma heresia. Galileu teve que desmentir suas idéias para fugir da fogueira.

Exercícios



1. No contexto do Renascimento, é correto afirmar que o Humanismo:
(01) Apoiava-se em concepções nascidas na Antiguidade Clássica.
(02) Teve em Erasmo de Rotterdam um de seus principais expoentes.
(04) Influenciou concepções que desencadearam a "Reforma Religiosa".
(08) Inspirou uma verdadeira revolução cultural, iniciada na Itália.
(16) Contribuiu para o desenvolvimento dos estudos científicos.
Soma = (   )

2. As principais características do Renascimento foram:
a) teocentrismo, realismo e intensa espiritualidade;
b) romantismo, espírito crítico em relação à política, temas de inspiração exclusivamente naturalistas;
c) ausência de perspectiva e adoção de temas do cotidiano religioso, tendo como foco apenas os valores espirituais;
d) uso de temas ecológicos evidenciando a preocupação com o meio ambiente, execução de variados retratos de personalidades da época.
e) antropocentrismo, humanismo e inspiração greco-romana.

3. Sobre o Renascimento, assinale com V (Verdadeiro) ou com F (FALSO) as afirmações abaixo.
(    ) A arte renascentista italiana reforçou a concepção formal hierárquica e cristã herdada da arte românica.
(    ) O Humanismo, enquanto elemento importante do Renascentismo, deve ser entendido como um movimento intelectual de valorização da Antiguidade Clássica, sem que se pregasse um retorno ao passado.
(    ) Os novos conteúdos e estilos sociais do Renascimento eram exclusivamente burgueses, já que precisavam romper com as práticas do feudalismo.
      (    ) O racionalismo renascentista pretendia explicar o mundo pela razão do homem e pela ciência.
      (    ) O teocentrismo e o caráter civil e cortesão foram algumas das características do Renascimento.
      A seqüência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
      a) V - F - F - F - V.
      b) F - V - F - V - F.
      c) F - F - V - F - V.
      d) V - F - F - V - V.
      e) F - V - V - F - F.

4. Os séculos XV e XVI foram marcados pelo auge do Renascimento Cultural na Itália. Esse movimento cultural teve por características:
(01) inspiração crítica nos valores e ideais da Antigüidade Clássica.
(02) defesa de uma reforma educacional, valorizando o estudo das "humanidades".
(04) descrença em relação às potencialidades da ciência e da razão.
(08) interpretação da vida baseada em uma visão antropocêntrica do mundo.
(16) valorização dos ideais místicos e geocêntricos da "Idade das Trevas".
Soma (          )

5. A Pietà é uma escultura em mármore de Michelangelo (1475-1564), realizada no fim do século XV, no contexto do Renascimento. Giorgio Vasari (1511-1574), um dos mais importantes intérpretes da obra de Michelangelo comenta: "Como a mão do artista pôde realizar, de maneira tão divina, em tão pouco tempo uma obra tão admirável? Parece um milagre: que uma rocha informe tenha atingido uma perfeição tamanha que a própria natureza só raramente a modela na carne.
A partir do comentário de Vasari, apresente o contexto histórico em que se insere o Renascimento, as novas concepções que passaram a orientar a produção artística e sua relação com a nova visão - humanista - de mundo que marca esse movimento cultural.

6. A revolução cultural renascentista expressa um conjunto de mutações históricas. Esclareça a importância das cidades e dos mecenas para o Renascimento na Itália.

7.  De acordo com o texto sobre o Renascimento, responda às questões a seguir:
 a) Explique o significado do termo Renascimento no contexto das transformações históricas ocorridas no período final da Idade Média e início da Idade Moderna no que diz respeito à produção cultural.
 b) Cite e explique duas das principais características do Renascimento.






Semanas de Provas

ATENÇÃO ALUNOS/ PAIS

A E.E. Felipe Cantúsio esta disponibilizando o calendário das provas 

BIMESTRAIS 2014

ALUNOS FIQUEM ATENTOS E ESTUDEM 


1º Bimestre 2014 


Semana  de  24/03/2014 à  08/04/2014

 Provas Bimestrais de todas as disciplinas 

quarta-feira, 12 de março de 2014

Livros do Vestibulares da Unicamp e Fuvest 2015


VEJA OS LIVROS COBRADOS NOS VESTIBULARES DA FUVEST E DA UNICAMP
Vestibulares da Fuvest e Unicamp terão quatro livros novos (Foto: TV Globo/Reprodução)
'Viagens na minha terra'
Autor: Almeida Garrett
Ano: 1846

É uma obra que mistura um relato de viagens com diário e a história da literatura portuguesa. Quando D. Pedro I volta a Portugal e assume o trono cria-se um período progressista de liberdade, Garrett volta do exílio e escreve a obra. Ele vai defender o governo e insere dentro do livro uma noveleta “A menina dos rouxinóis”, tragédia que mistura ficção e realidade.
'Til'
Autor: José de Alencar
Ano: 1872
  “Til”é um romance regionalista, de fazenda. Ele desdobra dramas do interior do Brasil com uma trama, uma das especialidades de José de Alencar.
'Memórias de um sargento de milícias'
Autor: Manuel Antônio de Almeida
Ano: 1854
'Memórias póstumas de Brás Cubas'
Autor: Machado de Assis
Ano: 1880

     
'O cortiço'
Autor: Aluísio Azevedo
Ano: 1890
O romance "O Cortiço", de Aluísio Azevedo, enquadra-se no Realismo de pendência naturalista de fins do século XIX. A obra tem como característica a sexualização dos enredos e a animalização dos personagens.
'A cidade e as serras'
Autor: Eça de Queirós
Ano: 1901

O romance, que narra a história do personagem Jacinto, faz parte da terceira fase da carreira do autor realista português Eça de Queirós.
'Vidas secas'
Autor: Graciliano Ramos
Ano 1938

Essa obra é o quarto romance do escritor alagoano que foi o homenageado da FLIP 2013.  Através dos personagens desse romance Graciliano faz não só uma crítica as desigualdades regionais advindas da seca, mas do embrutecimento causado pela falta de desenvolvimento humano.
     
     
'Capitães da areia'
Autor: Jorge Amado
Ano: 1937
A obra de Jorge Amado retrata a realidade urbana de um grupo de meninos de rua. O autor, um dos escritores brasileiros mais lidos, propõe uma reflexão sobre a vida de menores abandonados.
'Sentimento do mundo'
Autor: Carlos Drummond de Andrade
Ano: 1940
Este livro “Sentimento do mundo” foi publicado em plena Segunda Guerra Mundial. É uma visão universal dos dramas humanos que estava se passando em termos de inquietude, fragilidade e insegurança diante da guerra, não só o Brasil, mas todo o mundo.